Apesar de entrado em pauta na discussão com os clubes na semana passada, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) ainda não trabalha com a possibilidade que um time tenha que iniciar o Campeonato Brasileiro fora de sua cidade. Em entrevista à rádio Gaúcha, de Porto Alegre, o secretário-geral da CBF, Walter Feldman, explicou que a entidade quer aguardar a situação da pandemia da Covid-19 e não descartou adiar o retorno da competição.

Nesse momento, nós não trabalhamos com nenhum estado que estivesse com a decisão tomada pela não liberação. Esperamos aguardar pouco mais a epidemia para ter mais evidente quais praças teriam uma dificuldade maior. Se essas praças fossem em número elevado, nós teríamos que pensar no início da data da competição”, declarou o dirigente da CBF.

Dos 20 clubes da Série A, apenas o Athletico foi contrário a possibilidade de ter que mandar os jogos longe de seu estádio. Feldman explicou que os times aceitaram uma mudança de cidade, caso não tenha a liberação das autoridades de saúde, desde que tenham totais condições de treinamento. “A única divergência foi do Athletico. Um por um colocou que se meu local não estiver autorizado, eu, desde que tenha as condições necessárias para treinamento, da pré-temporada, que se imagina necessária pelo menos três semanas, aceitaria fazer o deslocamento para outra praça. Diria que foi quase um acordo entre todos os protagonistas para que se pensasse em uma data referência e começasse um raciocínio para o retorno seguro”, comentou.

Volta da Copa do Brasil

Além do Brasileirão, a ideia da CBF é também voltar com a Copa do Brasil em agosto. “A Copa do Brasil tem um processo semelhante a retomada do Campeonato Brasileiro da Série A. Ele tem uma lógica pouco diferente, tem que ter uma adaptação em relação às competições continentais, mas também há uma previsão que possa ocorrer em agosto, não em datas exatamente semelhantes. Agosto é a referência”, disse Feldman.

foto  (Lucas Figueiredo/CBF)